Menu fechado

Senar qualifica produtores de abacaxi em São Domingos do Maranhão

Print Friendly, PDF & Email

 

Equipe do sistema Faema/Senar visita plantio de abacaxi em São Domingos do Maranhão.
Equipe do sistema Faema/Senar visita plantio de abacaxi em São Domingos do Maranhão.

Por iniciativa do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, (Senar), e do Sindicato dos Produtores Rurais de São Domingos, teve início esta semana, Capacitação  Técnica em Abacaxicultura. O treinamento envolve quarenta  produtores rurais que trabalham em pequena, média e larga escala de produção de abacaxi na região.

O Senar,  objetiva com isso, a padronização e o aumento da  comercialização do fruto, por meio da transmissão de tecnologia. Com o  treinamento dos produtores  e técnicos daquele município e adjacências, esta entidade  insere  este tipo de atividade rural  na cadeia produtiva da região do Mapito, (Programa de Desenvolvimento do Maranhão, Piauí e  Tocantins. O curso é composto por doze módulos e seguirá até o final deste ano.

Na abertura do evento que reuniu diversos produtores locais, técnicos e convidados foram entregues certificados  de Cursos de Formação Profissional Rural (FPR) nas áreas Piscicultura, Bovinocultor de leite, Derivados do leite, dentre outros. Todos ofertados pelo Senar aos produtores rurais recentemente.

Prestigiando o evento estava o vice-presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Maranhão, (Faema), Raimundo Coelho, o Gerente Técnico do Senar, Carlos Antônio Feitosa, o Gerente de Assistência Técnica do Senar, Epitácio Rocha,  lideranças sindicais, produtores rurais e convidados.

Ações

Raimundo Coelho ao abrir o evento destacou a função do Senar para a comunidade rural, suas políticas e ações em todo o estado. Ressaltou a importância do curso para os produtores locais e falou da satisfação de incluir  a produção do fruto  na cadeia produtiva do Mapito. Na oportunidade, Coelho destacou ainda, a qualificação dos produtores e  o apoio do Senar no processo de produção e comercialização do fruto.

“Adicionamos o cultivo do abacaxi à cadeia produtiva do Mapito, buscamos a padronização do fruto e desejamos que vocês alcancem outros mercados com as técnicas que serão repassadas por nossa equipe”, disse Coelho.

De acordo com o engenheiro agrônomo, mestre em agroecologia  e instrutor do Senar, Rozalino Aguiar Júnior, no curso os participantes receberão conhecimentos elementares sobre o cultivo até a comercialização passando pelas novas técnicas de tratos culturais.

Ele ressalta que o  município de São Domingos, possui atualmente 1.500 produtores de abacaxis. A plantação é feita em uma área total de 2.500 hectares onde são recolhidos  8.750 mil toneladas do fruto. Isso resulta, segundo o especialista, numa arrecadação anual de  7 milhões  de reais. A comercialização de tais produtos é feita diretamente em São Luís, São Paulo e outros estados. “Em São Domingos, pode-se ver saindo diariamente dezenas de caminhões transportando o produto”, disse.

Escoamento

Ainda segundo Aguiar Júnior  a produção de abacaxi foi iniciada em São Domingos nos idos de 80, mas somente  em 1992, alavancou a produção, tendo este município se destacado pela plantação  da variedade pérola, e por estar melhor  estruturado e possuir melhor condição de escoamento.

“A produção aqui é em média escala, os produtores estão a mais tempo no ramo. Outra vantagem é quanto à localização do município  que facilita o escoamento da fruta”, destacou o instrutor do Senar.

Para o presidente do sindicato dos produtores rurais de São Domingos, Astolfo Seabra de Carvalho Sobrinho, um dos incentivadores  da produção naquele município, além das novas técnicas de plantio e comercialização, é necessário também que haja mudança na Portaria 227/2012, responsável pelo zoneamento do período de financiamento de todas as culturas, aplicada em todo o Brasil.

Na referida Portaria, baixada pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, (MAPA), a determinação para o financiamento do abacaxi deve ocorrer nos meses de  janeiro e fevereiro, o que contraria as condições climáticas do município, sendo o período ideal, segundo os produtores, os meses de julho e agosto.

“Estamos buscando junto à Faema alteração nesta Portaria do MAPA, uma vez que nos sentimos prejudicados tanto com relação à plantação quanto na comercialização do abacaxi”, disse o presidente do sindicato.