Menu fechado

Dia de Campo destaca assistência técnica e gerencial empreendida pelo Senar no Estado

Print Friendly, PDF & Email
Luiz Figueiredo, do Senar durante abertura do Dia de Campo em São Luís.

A Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) em parceria com o Senar e Embrapa Cocais, realizaram no campus São Luís, um Dia de Campo sobre cultura do arroz, tendo como referência os testes de validade das sementes de arroz BRS Esmeralda e BRS Sertaneja.

O superintendente do Senar, Luiz Figueiredo, se fez presente ao evento e destacou o papel da assistência técnica e gerencial do SENAR para o desenvolvimento do setor rural maranhense. Do Senar, estavam ainda presentes o assessor técnico César Viana e o supervisor de campo, Rozalino Aguiar.

A chefe da Unidade da Embrapa Cocais, Maria de Lurdes de Sousa, participou também da atividade e enfatizou o trabalho que está sendo desenvolvido para apoiar os pequenos produtores e agricultores familiares do Estado e criar fomento para a retomada da rizicultura como alternativa de fonte de renda com rentabilidade assegurada.

O Superintendente do Senar Luiz Figueirêdo, ao participar da abertura da atividade rural, disse que o trabalho do Senar neste projeto, está em lincar esses importantes pacotes tecnológicos produzidos por entidades de pesquisa como a Embrapa e UEMA com o pequeno produtor. “Este tipo de iniciativa faz com que o homem do campo utilize essas ferramentas para melhorar os níveis de produtividade das pequenas unidades de produção do estado, ampliando seus padrões de lucratividade”.

Senar, Embrapa e UEMA, juntos no processo de capacitação de professores, estudantes e produtor rural.

O objetivo da ação foi apresentar e discutir alternativas de manejo das referidas cultivares de arroz de sequeiro com técnicos, professores e estudantes das Ciências Agrárias (agronomia, veterinária e zootecnia), de modo a contribuir com informações técnicas acerca do comportamento e rentabilidade exploratória da cultura, junto ao público difusor e interessado nos avanços tecnológicos da ciência no meio rural.

Uma estação e quatro palestras ministradas por pesquisadores e professores sobre particularidades técnicas da exploração rizícola voltados para a formação dos participantes, deu a tônica da atividade que reuniu cerca de 150 pessoas na Fazenda do Campus. Os temas “As cultivares do arroz para o sistema de terras altas” e a “Produção de sementes no Maranhão”, foram ministradas por Guilherme Barbosa Abreu (pesquisador) e Carlos Santiago (analista), ambos da Embrapa.

Técnicos e professores na Estação do Dia de Campo

“A gente veio mostrar o trabalho que estamos fazendo no Maranhão, uma vez que somos uma ponta do desenvolvimento nacional no melhoramento do arroz. Então, a ideia é mostrar aqui aos estudantes e técnicos da área, as cultivares que estamos trabalhando, e a participação do Senar é muito importante no sentido de prestar assistência técnica ao produtor depois de apresentarmos a tecnologia”, disse Guilherme Barbosa, da Embrapa.

As professoras Joseane Rodrigues de Sousa e Antônia Alice Rodrigues, coordenadoras do evento – trataram dos temas: “Manejo de pragas e Preservação de inimigos naturais” e “Identificação e manejo de doenças do arroz”, como instrumentos de apoio para o manejo adequado da cultura e redução de perdas na exploração da lavoura.

“A finalidade primordial do Dia de Campo é mostrar aos nossos alunos e técnicos do setor o resultado da pesquisa das cultivares aqui apresentadas. É uma oportunidade para que o Senar e parceiros, interajam com a Universidade, e também, que possam ajudar os técnicos na capacitação, que no caso do Senar, é a sua expertise”, frisou a professora Antônia Alice Costa.