Menu fechado

Parceria entre Sindicato de Carolina e sistema Faema/Senar gera satisfação ao produtor rural

Print Friendly, PDF & Email

 

Técnicos do Senar e a produtora assistida pela ATEG/Agronordeste.

Em apenas sete meses de atividade no município de Carolina, Programa Assistência Técnica e Gerencial do Senar (ATEG), tem se destacado nas propriedades onde é desenvolvida a cadeia de Bovinocultura de Corte, Bovinocultura de Leite e Hortifruticultura, por meio do Programa Agronordeste. Por ocasião da passagem da diretoria do sistema Faema/Senar em Carolina, foi possível notar as mudanças.

Na primeira propriedade visitada pela equipe do Senar, composta pelo Presidente do Sistema Faema/Senar, Raimundo Coelho, e pelo Superintendente Luiz Figueiredo, o coordenador regional de ATeG, Egon Bastos, o Supervisor de Campo, Kayro Puça e os técnicos, Adonis Ferreira e Markus Andress Martins, percebeu-se a diferença no manejo, nos tratos culturais  na cadeia produtiva da hortifruticultura.

O  exemplo desta conquista, é a da assistente social e pedagoga, Lidiane Maciel que também é  produtora rural e cultiva maracujá, em uma área de aproximadamente 1 hectare onde é utilizada para o plantio, apenas metade da área, que fica atrás da sua residência. Ela e o marido, Alex Maciel, iniciaram o plantio da fruta há algum tempo, mas somente depois da chegada do Senar, é que percebeu de fato, a diferença.

Visita técnica à propriedade de Lidiane Maciel, em Carolina.

A produtora garante que com a presença do técnico Adonis Ferreira em sua propriedade, foi possível vislumbrar um futuro promissor. Garante ainda que, agora é possível vender os frutos in natura e extrair as polpas com peso  médio de um quilo. Confessa que tem bastante saída e que a renda tem aumentado de forma significativa.

“Recebemos orientação de como produzir e agora temos  melhor suporte com adubação e plantação”, disse ela ao lado do marido,  satisfeita com as orientações técnicas que vem recebendo desde janeiro deste ano, e destaca a técnica do gerenciamento do Senar, onde segundo ela, tem estimulado o seu trabalho.

Polpas de maracujá, produzida após assistência do Senar.

Adonis revela que no início, quando identificou  o empreendimento, percebeu que a  primeira dificuldade foi a mão de obra. Tendo em vista a visão comercial local e vendo que a estrutura dele era muito boa, dava para ter um bom desenvolvimento.

“Fizemos a adubação aproveitando ainda o período chuvoso e fizemos um controle químico de pragas. Embora estejamos no começo do programa com eles, conseguimos ver retorno. A gente fica feliz por ver que está tendo esse resultado, e estamos aqui para poder ajudá-los cada vez mais,” enfatizou o técnico.

Bovinocultura

Outra propriedade de realce, é a Fazenda Tinguis, dos irmãos João José Carvalho e Izabel Carvalho assistida pelo técnico Markus Andress, cujo foco é  bovinocultura de corte, cria e recria.

Diretoria do Senar, técnicos de campo e produtores rurais da fazenda Tinguis

A Tinguis possui 411 hectares, e recebe tecnologia do Senar desde janeiro deste ano. Segundo o técnico, as primeiras ações para melhorar a cultura bovina foram o ajuste nutricional, sanidade, manejo sanitário e gestacional.

“Eu fiz um perfil  epidemiológico, avaliação no controle reprodutivo e com as tecnologias aplicadas, resultou em 95% de prenhez. Percebemos que a nossa iniciativa foi satisfatória. O produtor está bastante satisfeito com a presença do Senar na propriedade”, disse o médico veterinário.

O produtor rural, João José Carvalho disse que já passou por muitas dificuldades por falta de orientação na mineração e reprodução do gado. Ele garante que a falta de conhecimento o deixava confuso. “Para nós, é de grande importância o acompanhamento do técnico, do apoio do Sindicato dos Produtores de Carolina que trouxe o Senar para a região. E agora, temos tudo para cada vez mais melhorar”, enfatizou.

Produtores rurais conduzem equipe até o gado da fazenda.

Na visão de Raimundo Coelho, a iniciativa do Sindicato em levar programas de assistência ao produtor carolinense demonstra a preocupação que a instituição tem com a melhoria de vida do homem do campo.

“A gente gosta de ver esses casos de sucesso, porque nos dá satisfação, entusiasmo e vontade de avançar em outras atividades ligadas a ATeG, em outras cadeias produtivas. É um trabalho muito importante que  Reginaldo Dias faz aqui, e a Federação de Agricultura, através do Senar  tem o maior prazer de acompanhar essas fazendas e ao final,  com dois anos de acompanhamento, a gente ter resultados palpáveis  para apresentar”, finalizou Coelho.