Menu fechado

Federação da Agricultura participa em Brasília da criação da Agência de Desenvolvimento do Matopiba

Print Friendly, PDF & Email

 

07_04
Comitiva maranhense participa do lançamento do Matopiba, em Brasília. José Hilton Coelho, (Faema/Senar), Raimundo Coelho, (Faema), Gisela Introvini, (Fapcen), Luiz Figueiredo, (Senar), Márcio Honaiser, (Sagrima), Wewerton Rocha, (Dep. Federal PDT), Sebastião Anchieta, (Aged).

A Federação de Agricultura e Pecuária do Maranhão, por meio do presidente, José Hilton Coelho de Sousa e do vice-presidente, Raimundo Coelho,  se fez presente, esta semana, na  solenidade realizada no Palácio do Planalto,  em Brasília, quando foi assinada pela presidente Dilma Roussef, decreto para a criação da Agência de Desenvolvimento do Matopiba, (território de desenvolvimento do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

Na ocasião do lançamento em que participaram representantes de todos os estados envolvidos, a presidente Dilma Roussef elogiou os produtores rurais pela luta diária e pela importância, na nova fronteira agrícola do país, o Matopiba. ”A proposta do Matopiba é arrojada como é arrojada a ministra Kátia Abreu”, discursou Dilma Roussef.

Lançamento do Matopiba
No seu discurso, Kátia Abreu detalhou a  importância do Matopiba para a economia regional e do país. Na próxima semana, a ministra lançará a Agência de Desenvolvimento, começando pelo Tocantins, indo ao Piaui, Maranhão e Oeste da Bahia. No Maranhão, o evento ocorrerá durante a programação do Agrobalsas, na cidade de Balsas, que fica a cerca de 830 quilômetros da capital, São Luís.

O Matopiba é formado por parte de municípios dos Estados do Maranhão (33%), Tocantins (38%), Piauí (11% ) e Bahia (18%). A região (conforme IBGE/Conab), é  responsável por 9,7% da produção de 201,5 milhões de toneladas de grãos prevista para o país na safra 2014/2015. E um Produto Interno Bruto estimado, com base nos dados do IBGE/2010, em R$ 53,4 bilhões. Abrange 337 municípios num total de 73 milhões de hectares.

“Esta é a última fronteira agrícola que terá oportunidade de contar com o apoio do Estado. Mas não é o apoio protecionista, é o apoio em logística, infraestrutura e energia”, afirmou Kátia Abreu.

Plano de Defesa
Ainda na oportunidade, foi entregue pela ministra, Kátia Abreu, à presidenta Dilma Rousseff, o Plano de Defesa Agropecuária 2015/2020 (PDA), que define estratégias e ações para evitar e combater a pragas nas lavouras e doenças nos rebanhos brasileiros.

Com o plano, o governo promoverá o desenvolvimento sustentável do agronegócio, garantindo a preservação da vida e da saúde das pessoas e dos animais, a segurança alimentar e o acesso a mercados.

O PDA introduz um novo modelo de gestão eficiente, capaz de fortalecer uma ação conjunta em nível federal, estadual e municipal. O plano vai atualizar diversas normas sanitárias à realidade do agronegócio do país, além de adaptar procedimentos e capacitar ainda mais os técnicos a tomarem decisões na área sanitária com base em conhecimento científico e análise de risco.

O Plano de Defesa Agropecuária está concebido para os próximos cinco anos, dividido em duas etapas. A primeira será executada até junho de 2016 e a segunda, até 2020.

“Essa atitude do governo federal, reforça a credibilidade do Brasil, junto aos demais países, no que tange o agronegócio,” destacou Hilton Coelho, que na ocasião, discutiu com a ministra Kátia Abreu, o lançamento do Matopiba no Maranhão e a sua participação na abertura no Agrobalsas.