Menu fechado

Sistema Faema/Senar participa de ações com o MAPA nas microrregiões do Matopiba

Print Friendly, PDF & Email

 

 

.

Representante do MAPA, Fátima de La Mark, apresenta programa Classe Média Rural, do Matopiba, a prefeitos e lideranças.
Representante do MAPA, Fátima de La Mark, apresenta programa Classe Média Rural, do Matopiba, a prefeitos e lideranças.

O vice-presidente do sistema  da Faema, Raimundo Coelho e o Gerente de Qualificação do Senar, Carlos Antônio Feitosa – participaram esta semana, nos municípios de Açailândia, Bacabal e São Benedito do Rio Preto, de reuniões de sensibilização, com a presença de  prefeitos e lideranças políticas e sindicais.

Os encontros foram liderados por uma equipe do Ministério da Agricultura, (MAPA), por meio do superintendente do SFA-MA, Antônio José dos Santos, e  Maria de Fátima La Mark, (de Brasília). Além de promover a sensibilização às lideranças presentes, a assembléia promoveu ainda a assinatura dos  Termos de Adesão ao programa Classe Média no Campo, pelos prefeitos.

O programa faz parte do Matopiba, e é desenvolvido pelo governo federal, com apoio no Maranhão do sistema Faema/Senar, responsável pela assistência técnica e capacitação dos produtores rurais, de prefeituras nos diversos municípios das microrregiões do médio mearim, tocantina e baixo parnaíba.

Matopiba

A expressão Matopiba resulta da abreviatura com as iniciais dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. São 31 microrregiões, num total de 73 milhões de hectares, seis milhões de habitantes e um PIB da ordem de R$ 47 bilhões.

A criação da região do Matopiba pela Presidência da República reconhece a existência de territórios geoeconômicos diferenciados, sem alterar as fronteiras dos estados, e é o primeiro passo,  para programas de fomento, crédito, assistência técnica e social.

O Maranhão ocupa 32,77% de todo o território do Matopiba, com 23,9 milhões de hectares em 135 municípios. O Tocantins tem 37,95% da área, 27,7 milhões de hectares e 139 municípios. Já o Piauí representa 11,21%, tem 8,2 milhões de hectares e 33 municípios e a Bahia ocupa 18,06% da área, com 13,2 milhões de hectares e 30 municípios. A proposta de delimitação foi feita pelo Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (GITE), da Embrapa.

O território do Matopiba apresenta a expansão de uma fronteira agrícola baseada em tecnologias modernas de alta produtividade. Hoje, o principal grão destinado à exportação é a soja, mas outras culturas começam despontar na região, como o algodão e o milho.

O clima favorável, o perfil dos produtores e a legalidade de novas áreas a serem abertas trazem boas perspectivas para a região. Assim, a totalidade dos quatro estados deverá apresentar aumento de 7,9% na produção de grãos na safra 2015/2016.

Compromisso

De acordo com Raimundo Coelho, a visita serviu para que prefeitos dos  municípios inclusos nas microrregiões do Matopiba firmassem compromisso, ao   assinar documento  se comprometendo a  integrar as ações em prol do desenvolvimento de seu município.

Coelho revela que para os próximos meses, está previsto uma nova visita, onde na ocasião, a  ministra Kátia Abreu e o governador Flávio Dino,  juntamente com os prefeitos envolvidos no programa, assinarão convênios a fim de fortalecer as secretarias municipais de agricultura, e posteriormente, iniciar o cadastramento de produtores rurais de suas localidades.

“O programa Classe Média no Campo certamente é um grande passo para a elevação da qualidade de vida dos produtores rurais do nosso estado. Com o apoio do governo estadual e das prefeituras envolvidas, esperamos que em pouco tempo possamos colher os resultados desta iniciativa”, ressaltou  Raimundo Coelho, da Faema.

Ainda conforme informação de Coelho, do universo de produtores rurais cadastrados, serão selecionados aqueles que estão nas classes E  e D, para que eles venham a ser beneficiados com as ações  do governo federal e passem a ter acesso à classe C, que é o que objetiva o programa Classe Média no Campo.