Menu fechado

Senar participa de discussão sobre a implantação do ILPF na região do Matopiba

Print Friendly, PDF & Email

 

Parceiros do Matopiba, pesquisadores, produtores rurais e convidados,  durante reunião na Embrapa Cocais.
Parceiros do Matopiba, pesquisadores, produtores rurais e convidados, durante reunião na Embrapa Cocais.

Foi realizada esta semana, na sede da Embrapa Cocais, (São Luís), a I Reunião de Articulação do Plano de Ação Maranhão, (PA Maranhão),  dos projetos da Rede Fomento  em rede Integração Lavoura Pecuária e Floresta, (ILPF),  para a região que compreende os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, (Matopiba).

Participaram da reunião, representantes do sistema Faema/Senar,  do Plano ABC  no Maranhão, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do governo do Estado, (Sagrima/Agerp/Aged), gestores e técnicos da Embrapa  Cocais, Meio Norte, Cerrados e SNE. Também estiveram presentes, representantes do Banco do Nordeste e convidados. Da Faema/Senar, participaram a veterinária, Aline Saldanha e  o consultor César Viana

O seminário foi aberto pelo chefe da Embrapa Cocais  –  Valdemício Ferreira. Logo após, foram apresentadas as diretrizes das ações do ILPF e Plano ABC no Maranhão, (Plano Estadual de Agricultura de Baixo Carbono). Após a discussão, foi mostrado histórico das ações de transferência de ILPF e os resultados das Unidades de Referência Tecnológicas, (URT’s), nos estados do Matopiba.

“É um evento importante para o tema ILPF, que precisa ser fortalecido e praticado tanto pelos agricultores quanto para os pecuaristas do Maranhão, porque são eles os clientes diretos”, ressaltou Valdemício, ao abrir o evento.

Sistema ILPF

O ponto alto do encontro foi a apresentação pelo produtor rural, Reginaldo  Vieira, (Fortuna-MA), e Fernando, (Brejo MA),   que implantaram em suas propriedades, o sistema ILPF. Na oportunidade, ambos os produtores rurais  destacaram o sucesso de suas experiências, ressaltando a importância do acompanhamento técnico por meio de técnicos da Embrapa, suas dificuldades, mas também, suas perspectivas.

De acordo com  o produtor Reginaldo, o ILPF traz inúmeros benefícios para o sistema produtivo como um todo e apresenta resultados bastante satisfatório, já que otimiza o uso de recursos do solo  e possibilita aumento de produtividade.

“Esse é um sistema bom para o produtor e para a sociedade como um todo”, assinalou Reginaldo, ao tempo que afirmou vir do campo a garantia de renda e emprego para diversos setores da sociedade. Segundo ele, o ILPF reforça essa ação junto á produção rural.

O segundo momento da reunião da Embrapa,  técnicos e gestores apresentaram Plano de Ação, que tem por objetivo fomentar  o desenvolvimento do ILPF, com destaque para as  estratégias, subsidiando políticas públicas, estabelecendo parcerias público privada, realização de transferência de tecnologia, estimulando a pesquisa,  apoiando a capacitação e treinamento dos profissionais, constituir uma rede de instituições e pesquisadores  dedicados ao tema e ampliar a divulgação do ILPF, bem como os canais de comunicação entre a Embrapa e parceiros.