Menu fechado

Produtores rurais e deputados estaduais discutem o Código Florestal

Print Friendly, PDF & Email

Deputados e gestores estaduais, a Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão (Faema), e produtores rurais, se reuniram, na Expoema, para discutir questões relativas ao Código Florestal no Maranhão.

O presidente da Faema, José Hilton Coelho de Sousa considerou a reunião bastante  produtiva com os deputados estaduais. Ele adiantou que o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Arnaldo Melo comprometeu-se em criar um grupo de trabalho para discutir possíveis mudanças no novo Código que não venham prejudicar a produção de alimentos no Maranhão, como desejam os ambientalistas da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão (Sema).

A Faema realizou uma palestra sobre o Novo Código Florestal, com o assessor técnico da entidade, Émerson Galvão. O palestrante falou da importância da atualização da legislação florestal maranhense, segundo o texto do novo Código, com o envolvimento do setor produtivo, governo estadual e Ministério Público.

Participaram ainda da reunião o consultor da Faema, César Viana;  o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Cláudio Azevedo; o vice-presidente da Faema e adjunto da Sagrima, Raimundo Coelho; os deputados Arnaldo Melo, Fábio Braga, Rigo Teles, Tatá Milhomem, Carlinhos Florêncio, César Pires e Raimundo Louro; o diretor geral da Agência de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), Fernando Lima e o presidente da Associação dos Criadores do Maranhão, Assub Neto.

Classificação internacional – Outro assunto discutido no encontro foi sobre a situação do estado que aguarda que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) envie o pleito à OIE solicitando a classificação internacional para os estados do Maranhão, Pará, Ceará, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba e Alagoas.

Em fevereiro de 2014 está prevista a vinda de uma Missão da OIE aos estados concorrentes ao novo status sanitário, para verificar se os mesmos estão aptos a receber o certificado internacional. A formalização da certificação acontecerá no mesmo ano, durante a Assembleia Geral da OIE, que abrirá definitivamente novos mercados internacionais para a pecuária do Maranhão.