Menu fechado

Nova diretoria da CNA, presidida pela senadora Kátia Abreu, é empossada

Print Friendly, PDF & Email

No evento, que contou também  com a presença do presidente da FAEMA, José Hilton Coelho de Sousa, a senadora Kátia Abreu destacou os avanços do setor agropecuário

Empossada nesta segunda-feira para um novo mandato à frente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a senadora Kátia Abreu destacou os avanços do setor agropecuário, responsável por 23,3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, e lembrou que o país tem peso no cenário econômico internacional. “Apesar das dificuldades presente, o Brasil está entre as 10 maiores economias do planeta”, afirmou.

A solenidade de posse da nova diretoria eleita para o período de 2014 a 2017 contou com a presença da presidente da República, Dilma Rousseff, do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros, além de autoridades do Judiciário, governadores, presidentes de federações de agricultura e pecuária dos estados, de sindicatos rurais, e de empresas do agronegócio.

À plateia que lotou o auditório da sede da Confederação em Brasília, a presidente da CNA lembrou que manter a posição de destaque do Brasil e do agro exige investimentos em infraestrutura, garantias de segurança jurídica e superação de velhos paradigmas que alimentam a ação predatória de grupos ideológicos, à direita e à esquerda. “Esses grupos desservem o interesse geral. Agem como os que hoje, de forma desrespeitosa e à margem da lei, invadiram o prédio da CNA. Não veem a árvore, nem a floresta”, afirmou.

Falando dos avanços da agropecuária, a senadora Kátia Abreu ressaltou a importância da interlocução estabelecida com o governo federal e da parceria da CNA com o Congresso Nacional em torno de projetos de interesse do setor. E agradeceu à presidente Dilma Rousseff por ter sido “a primeira chefe de governo a se dispor a entender e atender a agenda do agronegócio, para além dos condicionamentos político-partidários”.

Também enalteceu o papel do Congresso Nacional que, com o apoio do governo, aprovou o novo Código Florestal em 2012, após 15 anos de discussão, e a nova Lei dos Portos, que vai facilitar, entre outros pontos, os investimentos de capital privado em infraestrutura portuária.

Ao citar as obras de infraestrutura para o escoamento da produção agropecuária brasileira, destacou as iniciativas que estão sendo tomadas para viabilizar o transporte de cargas por meio das hidrovias. E brincou com a presidente Dilma Rousseff, relatando que ouviu “de uma pessoa muito importante aqui presente” que nos próximos quatro anos será a vez das hidrovias. O transporte por este modal é considerado fundamental para o escoamento da safra de grãos produzida acima do Paralelo 16, que corta o Centro-Oeste. Com o embarque das cargas pelos portos do Norte e Nordeste, será possível encurtar em até cinco dias o trajeto até à União Europeia e à China, principais destinos das exportações do agronegócio brasileiro.

Indagada pelos jornalistas sobre a importância da presença da presidente da República na cerimônia de posse da nova diretoria da CNA, a senadora Kátia Abreu deixou claro que o setor não está atrás de benesses e nem de proteção do Estado. “Nós só queremos as condições e os mecanismos para continuar crescendo. Queremos apenas levar aos governos os interesses que são do país. O que for bom para o Brasil é bom para o agronegócio”, finalizou.

Conheça a nova Diretoria para o triênio 2014 – 2017:

Presidente – Kátia Regina de Abreu
1º Vice-Presidente –  João Martins da Silva Júnior
Vice-Presidente de Finanças – Eduardo Correa Riedel
Vice-Presidente Executivo – Roberto Simões
Vice-Presidente Secretário – José Zeferino Pedrozo
Vice-Presidente Diretor – Assuero Doca Veronez
Vice-Presidente Diretor – Carlos Rivaci Sperotto
Vice-Presidente Diretor – José Mário Schreiner
Vice-Presidente Diretor – Júlio da Silva Rocha Júnior
Vice-Presidente Diretor – Mário Antônio Pereira Borba

Conheça Conselho Fiscal da CNA para o triênio 2014 – 2017:

Efetivos: Raimundo Coelho de Souza (FAEMA), Álvaro Arthur Lopes de Almeida e
Renato Simplício Lopes

Suplentes: José Álvares Vieira, Luiz Iraçú Guimarães Colares e Eduardo Silveira Sobral (In memoriam)