Menu fechado

Maranhão solicitará certificação internacional de zona livre de aftosa

Print Friendly, PDF & Email

O pleito do Maranhão junto à Organização Internacional das Epizootias (OIE) para que o estado seja classificado internacionalmente como Zona Livre de Febre Aftosa com Vacinação será enviado em outubro, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A previsão é de que em maio de 2014 o Maranhão, Pará, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas e Paraíba alcancem o novo status sanitário, que abrirá novos mercados nacionais e internacionais para o rebanho maranhense, que é de mais de 7,4 milhões de bovinos e bubalinos.

A portaria de certificação nacional de Zona Livre de Febre Aftosa com Vacinação será assinada no dia 19 de agosto, pelo ministro Antônio Andrade, em São Luís. A solenidade vai contar com a presença da governadora Roseana Sarney.

O anúncio do envio do relatório à OIE e a apresentação do relatório final da sorologia dos rebanhos nos estados que serão classificados como zona livre aconteceu durante a reunião sobre o Projeto de Ampliação de Zona Livre de Febre Aftosa com Vacinação, na tarde de segunda-feira (12), em Brasília.

O resultado final do estudo soroepidemiológico foi apresentado pelo fiscal do Departamento de Saúde Animal do Mapa, Geraldo Marcos de Moraes. O estudo revelou uma probabilidade de 96,5% da inexistência do vírus da febre aftosa nos estados pesquisados.

O secretário adjunto de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima) e vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão (Faema), Raimundo Coelho, participou da reunião e ressaltou a importância, nesta reta final, da união de todos os estados que pleiteiam a nova classificação sanitária. “É preciso avançar juntos e o Maranhão vai continuar o trabalho, de acordo com as recomendações indicadas nesta reunião, para atingir a classificação internacional”, disse ele.

Dentre os critérios estabelecidos pelo Mapa para que os estados sejam classificados nacionalmente como zona livre de febre aftosa com vacinação, um deles foi a sorologia dos animais, que foi realizada no período de abril de 2012 a março de 2013, com o objetivo de confirmar a inexistência da circulação do vírus da febre aftosa.

Foram analisadas 10.828 amostras de sangue do rebanho maranhense, em 146 municípios. “Essa sorologia constatou que não há circulação do vírus da aftosa e nos legitima a avançar no processo de zona livre”, informou o diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, Guilherme Marques.

A sorologia aconteceu nos oito estados que, somados, possuem um rebanho de 22.383.210 animais em 482.147 propriedades rurais.

Participaram do encontro os gestores do Ministério da Agricultura, secretários estaduais de agricultura, diretores dos serviços veterinários oficiais e iniciativa privada. Na oportunidade foram discutidos os próximos passos para que os estados concluam os critérios estabelecidos pelo Mapa, que serão analisados por uma comissão da OIE, que fará, em fevereiro de 2014, uma vistoria para analisar as condições do serviço veterinário oficial de todos os estados que pleiteiam a classificação internacional.

Também estiveram na reunião o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão (Faema), José Hilton Coelho, o diretor geral da Agência de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), Fernando Lima, o presidente do Fundo de Desenvolvimento da Pecuária (Fundepec), Osvaldo Serra, a diretora de Defesa Animal da Aged, Margarida Prazeres e o fiscal federal agropecuário da Superintendência Federal da Agricultura, Roberto Carlos de Arruda.