Menu fechado

FAEMA participa de encontro com Flávio Dino

Print Friendly, PDF & Email

05_12b

Um grande público esteve reunido na noite da última quinta-feira, dia 04, no auditório Alberto Abdalla, localizado na Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), para um encontro com o governador eleito, Flávio Dino. O momento havia sido prometido pelo próprio Flávio Dino antes das eleições, quando ocorreu o debate com os dois principais candidatos ao governo do Estado.

A ação reuniu a Associação Comercial do Maranhão (ACM), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-SL), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Maranhão (Faema), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio) e Fiema.

O Governador eleito Flávio Dino ressaltou a importância do diálogo com as classes empresariais e anunciou a criação do Conselho Empresarial do Maranhão, que a princípio reunirá as entidades organizadoras do evento.

O presidente da Fiema, Edilson Baldez, afirmou que os empresários querem ajudar a definir os rumos do Maranhão. “A interação entre Poder Público e iniciativa privada é indispensável para o desenvolvimento do Estado”, relatou.

05_12cFlávio Dino destacou alguns pontos como prioritários que serão encaminhados logo no início do Governo. O primeiro será a conclusão do Zoneamento do Estado, como instrumento de planejamento, que foi reforçado na abordagem do presidente da Faema, José Hílton Coelho de Sousa. “Defendemos a redução da área de reserva legal para 50% nas áreas rurais já consolidadas, conforme prevê o Código Florestal, para que não haja uma crise na produção rural e aumento do desemprego”, disse.

Outras prioridades do interesse do produtor rural foram anunciadas como a dinamização do Porto do Itaqui, que precisa ser reestruturado para melhor aproveitamento de suas potencialidades. “Criaremos câmaras setoriais com as principais empresas dos segmentos para estreitar a relação público-privada”, garantiu Dino.

Foram abordados também temas como a adoção de novas tecnologias visando o aumento da competitividade da produção de alimentos, o fortalecimento à assistência técnica e pesquisa no Estado e o modal rodoviário.