Menu fechado

Faema e Senar participam do Tech Nordeste

Print Friendly, PDF & Email
Raimundo Coelho e convidados prestigiam Edilson Baldez na abertura do Tech Nordeste.
Raimundo Coelho e convidados prestigiam Edilson Baldez na abertura do Tech Nordeste.

Centenas de pessoas visitaram  o estande da Federação de Agricultura do Estado do Maranhão (Faema) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), no Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana, no Coafuma, em busca de informações relativas às ações promovidas por essas instituições  e de sua participação no  Tech Nordeste – Fórum de Ciência e Tecnologia e Inovação Sustentáveis para o Desenvolvimento da Região Nordeste,  idealizado  pelo Sebrae-MA com o apoio do Sistema Faema/Senar e de outros parceiros.

 João Martins do Sebrae, ao final da palestra sobre Recursos Hídricos no Fórum Tech Nordeste.
João Martins do Sebrae, ao final da palestra sobre Recursos Hídricos no Fórum Tech Nordeste.

O Tech Nordeste envolveu os Sebraes dos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e teve a sua primeira edição no Maranhão. Um de seus principais objetivos foi estimular a cooperação técnico-financeira de organismos governamentais e não governamentais nacionais e internacionais, e de investidores privados interessados em empreendimentos rentáveis e ecologicamente sustentáveis, como forma de operacionalizar as soluções tecnológicas apresentadas, quer sob a forma de projetos, quer sob a forma de produtos.

Raimundo Coelho e palestrantes do Sistema Faema/Senar e convidados.
Raimundo Coelho e palestrantes do Sistema Faema/Senar e convidados.

Durante o evento foram abordados os seguintes eixos-temáticos: Mobilidade no estado do Maranhão, Recursos Hídricos, Energia Limpa, Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC e Resíduos. O Sistema Faema/Senar participou com  a realização de duas palestras técnicas no eixo temático Recursos Hídricos. A primeira delas foi aplicada pelo membro da Comissão Nacional do meio Ambiente da Confederação Nacional de Agricultura (CNA), João Carlos de Carli, cujo tema versou sobre “A Importância dos recursos hídricos para o desenvolvimento socioeconômico”.

“Esse tipo de evento é muito bom porque a gente consegue passar informações para os produtores rurais, o nosso principal interessado nessa discussão. A CNA sempre busca políticas que serão repassadas para os estados, e quando se trata de Comitê de Bacia, é aí que a CNA deve trabalhar para que o produtor  entenda de recursos hídricos para que a gestão da água daquela Bacia seja utilizada de forma correta”, disse de Carli.

Estande com ações do Sistema Faema/Senar.
Estande com ações do Sistema Faema/Senar.

O Rio Itapecuru, situação atual e suas perspectivas, foi o tema de destaque da palestra proferida pelo assessor do Senar César Viana, que explicou, na ocasião, a atual situação  do manancial e da  necessidade de investimentos governamentais para a sua   manutenção, haja vista a importância que exerce para o Estado.

Tecnologia

A solenidade de abertura do Tech Nordeste reuniu dezenas de representantes de órgãos governamentais, municipais e de diversas entidades ligadas ao conhecimento. O ponto alto da abertura dessa primeira edição foi a assinatura de um convênio de cooperação técnica e educacional, entre o  Senai-MA e o Sebrae-MA, para desenvolver programas e projetos conjuntos inovadores com o objetivo de gerar novos negócios no estado.

Segundo o diretor superintendente do Sebrae João Martins, os projetos que entrarão no escopo do convênio ainda serão decididos. “Criamos um mecanismo para atuarmos conjuntamente na criação de ambientes favoráveis ao desenvolvimento de negócios com agregação de valor, pela tecnologia e inovação, inseridos nos produtos finais que serão oferecidos pelo mercado”, comentou.

Para o presidente da Faema e vice-presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-MA  Raimundo Coelho,  a importância o Tech Nordeste vem inovar  em pesquisa e resultados em prol da sociedade maranhense. A participação da Faema e do Senar como parceiros, fortalece as ações já em andamento, onde o produtor rural é o principal beneficiário.

No total, o evento contou com 61 ações realizadas, entre workshops, palestras, minicursos, painéis, conferências, mostras de trabalhos científicos, protótipos e projetos, entre outras, num espaço físico onde se concentraram 18 quiosques, 16 estandes, cinco salas de negócios, auditórios e uma arena para talks shows.