Menu fechado

Faema discute na Câmara Federal a ampliação de terras indígenas no MA

Print Friendly, PDF & Email

Encontro na Câmara Federal reuniu produtores rurais e parlamentares que debateram a ampliação das terras indígenas Governador e Awá-Guajá, no Maranhão

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão (Faema), José Hilton Coelho de Sousa, considerou relevante a audiência pública na Câmara Federal que discutiu a demarcação e ampliação das terras indígenas Governador e Awá-Guajá, no Maranhão. O encontro reuniu produtores rurais, parlamentares maranhenses e autoridades responsáveis pela demarcação de Territórios Indígenas no Brasil.

“A audiência foi muito importante porque mostrou o posicionamento da Funai [Fundação Nacional do Índio] sobre a demarcação de terras indígenas e a ameaça que esse fato constitui para os produtores rurais de quatro municípios que podem perder as suas terras”, afirmou o presidente da Faema.

Para José Hilton, a Constituição Brasileira deixa claro que as terras pertencem aos índios, mas é de competência da União a demarcação das áreas. “Não podemos é admitir laudos fraudulentos com o objetivo de expulsar produtores rurais de suas propriedades, registradas no cartório de imóveis. E o pior é que as invasões resultam da demora do Governo Federal em resolver a questão”, disse

Durante a reunião, o representante da Fundação Nacional do Índio e do Ministério da Justiça, Carlos Travassos disse que a Funai vai expulsar os produtores rurais da terra indígena Awá, no Maranhão. Segundo ele, mais de mil famílias já foram cadastradas pelo governo e podem ser expulsas. Indagado sobre a área que a Funai assentará os produtores, Travassos disse que isso não é um problema do órgão.

Municípios – A demarcação da Terra Indígena dos Awá-Guajá, conforme proposta da Funai, afetará diretamente 40 mil pessoas de quatro municípios, São João do Caru, Zé Doca, Newton Belo e Centro Novo, que moram e trabalham na região e estão ameaçadas de perder a terra da qual tiram o seu sustento. Há também a questão do povoado Caju, localizado dentro da área demarcada pela Funai, centro produtor que abastece a cidade de São João do Caru e municípios próximos, como Bom Jardim, Newton Belo e Zé Doca.

A ampliação da reserva Governador abrangerá 75% de Amarante, o que levará o município a colapso administrativo, segundo a Faema. De acordo com a entidade, serão expulsas mais de três mil famílias, totalizando 20 mil pessoas. O município, distante 830 km da capital, tem uma população de 37.000 habitantes, 3.000 propriedades produtivas de agricultores familiares e pequenos produtores e um rebanho de 250.000 cabeças de gado.

De acordo com relatos da Prefeita de Amarante, Adriana Ribeiro, índios e produtores convivem em harmonia na região. “O que está gerando conflito é a ação da Funai, que está conseguindo jogar a população contra os indígenas e vice-versa”, afirmou.

Terras – Para o senador maranhense Edison Lobão Filho, a situação dos índios merece toda a atenção, mas algumas questões precisam ser resolvidas. “Não é prejudicando o trabalhador rural que vamos resolver o problema dos índios”, declarou.

Para o deputado Weverton, Rocha, a Funai tem, muitas vezes, conduzindo tais processos de forma pouco transparente e sem a participação da população. Segundo o parlamentar, já está protocolada na Câmara um pedido de CPI para investigação da fundação.

“Depois da portaria da Funai, não tivemos mais direito a empréstimo, estrada, saneamento básico, nada”, desabafou Arnaldo Lacerda, da Comissão dos Produtores Rurais São João do Caru.

Mais

Cerca de 300 agricultores de São João do Caru, Zé Doca, Newton Belo, Centro Novo, Amarante, Barra do Corda e Fernando Falcão, participaram da audiência, que contou com a presença dos deputados federais do Maranhão Alberto Filho, Carlos Brandão, David Alves Filho e Chiquinho Escórcio e os prefeitos de Fernando Falcão, Adailton Ferreira; de Amarante, Adriana Ribeiro, vereadores e lideranças rurais.